quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Continuidade Histórica e Arquitetura Moderna em Porto Alegre

A memória está estritamente vinculada a coisas sólidas e lugares (quem nunca anotou lembretes, riscou um "x" na própria mão ou amarrou uma fitinha no dedo...?). A cidade não foge à regra. O papel dos prédios históricos é fazer esta “ponte” com o passado, gerando a agradável sensação de continuidade e proporcionando ao presente, seu verdadeiro sentido e significação.
ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO É CONTEÚDO LIVRE E SÓ PODE SER REPRODUZIDO TOTAL OU PARCIALMENTE SOB AUTORIZAÇÃO EXPRESSA DOS AUTORES.
O processo “cumulativo” de épocas nas cidades pode ser muito saudável, quando há uma convivência pacífica de épocas, usos - e, porque não?- escalas.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
Para garantir a sensação de continuidade, como define a palavra, é necessário que haja de fato uma continuação. Neste caso, não se trata de preservar única e ardorosamente a arquitetura de um passado eleito como importante: apenas vernacular (como a Ouro Preto que suprimiu seu período eclético), ou apenas de uma posterior pretensa belle-époque, etc.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
O surgimento no século passado de um novo conceito de morar, com a introdução de estratégias e técnicas construtivas novas dentro de projetos Art Déco/protomodernos, e a posterior “vitória” do movimento moderno no campo da arquitetura e da arte, são fases importantes para que o momento atual seja perfeitamente compreendido e vivenciado.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
E a arquitetura moderna?

Como exemplo ilustrativo de que a falta de cuidado e continuidade dos prédios históricos nem sempre estão relacionados à estagnação do seu uso original, vejamos uma das mais significativas casas modernistas da cidade de Porto Alegre.


Casa Jorge C. D'Azevedo, na sua configuração original (fonte: GOLDMAN, Carlos Henrique: projetos residenciais de Edgard Albuquerque Graeff) e na atual (Foto: Jorge Luís Stocker Jr./2010). Na comparação, percebe-se a substituição das esquadrias originais, com supressão do brise soleil, em prol do uso de esquadrias simples de madeira, encontradas em qualquer loja de materiais de construção.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
Localizada no bairro Moinhos de Vento de Porto Alegre, a Casa Jorge C. D'Azevedo foi construída na década de 50, projetada pelo Arquiteto Carlos Alberto de Holanda Mendonça. Vemos no projeto uma criteriosa adoção dos pontos da arquitetura moderna, com uso de pilotis, brise-soleil, fachada e planta livres. O impacto visual, com inspiração na escola carioca, era gerado pelo uso de brise-soleil vertical. A ousadia de suspender uma casa sob pilotis na Porto Alegre dos anos 50, certamente a destacava dos prédios residenciais predominantes na época, a maioria inspiradas no modelo californiano de edificação neo-colonial hispânica (por aqui conhecida como “estilo missões” – e curiosamente, estes começam hoje a serem vistos como ‘históricos’, ao contrário dos prédios modernistas e proto-modernos da mesma época, encarados como ‘comuns’).
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
A manutenção desta e de outras casas, tornaria possível uma importante “ponte” com o passado, uma forma de comprovar a introdução da arquitetura moderna ao contexto porto-alegrense. Ilustra a chegada de um novo modo de morar fora do eixo Rio-São Paulo, nos anos 50; além de constituir-se um perfeito referencial teórico para a arquitetura gaúcha atual. Não fosse a lamentável mutilação que transformou este e vários outros prédios representativos para a arquitetura local, em meros produtos imobiliários.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA

Talvez o exemplar modernista mais importante do Rio Grande do Sul: Palácio da Justiça de Porto Alegre, também dos anos 50 (Foto: Jorge Luís Stocker Jr.). Interessante projeto, vencedor de concurso, dos arquitetos Carlos Maximiliano Fayet e Luís Fernando Corona. Recentemente reformado sob orientação do primeiro (já falecido), de forma a atualizar para as demandas e também finalizar o projeto original, que não havia sido executado inteiramente conforme o proposto.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
Enquanto isso, continuamos a buscar apenas nas obras do Niemeyer, Lúcio Costa e Cia, a essência do modernismo brasileiro. Esquecemos de valorizar, estudar e perpetuar os exemplos locais, que com tanta dificuldade introduziram as inovações arquitetônicas nesta cidade.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
A memória acabou?

Felizmente não, pois a cidade ainda tem outros edifícios e casas que narram este período de introdução e auge da arquitetura moderna, tão profícuo em estratégias projetuais e avanços estéticos. São exemplos maiores, o Jockey Club, o Esplanada (do Arq. Fresnédo Siri), o Palácio da Justiça (Luís Fernando Corona e Carlos M. Fayet), o Jaguaribe (Luís Fernando Corona e Fernando Corona), entre outros. Impossível não citar as aventuras proto-modernas protagonizadas pelo "arquiteto" auto-didata Fernando Corona, que escapam à rigidez teórica do movimento moderno, mas são valiosas justamente pelo toque ‘autoral’ e pela gradual introdução de elementos modernos em prédios com um pé no art-decó ou neo-colonial.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA

Casa projetada nos anos 50 pelo arquiteto Fernando Corona, encontra-se bem conservada em sua originalidade. Sua estética atende à demanda por ares californianos, próprios do neo-colonial/estilo missões, ao mesmo tempo que introduz elementos modernos, como os balanços, janelas 'corridas' e muxarabis da arquitetura colonial brasileira. (pavimento superior, com arcos, é intervenção posterior). (Foto: Jorge Luís Stocker Jr./2010)
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
Por sua adequação à época em que foram concebidos, estética e tecnologicamente, o legado modernista deveria servir de inspiração para muitos arquitetos atuais. Profissionais que nada mais fazem além de repetir exaustivamente a fórmula pré-concebida do que os “clientes costumam querer”. Quem sabe assim, deixaríamos de ver a construção de centenas de prédios “sem linguagem”, meramente produtos imobiliários, que não representam nenhuma cultura, nenhum estágio tecnológico, nenhum conceito... Enquanto este tempo não chega, que tenhamos mais cuidado com o legado de qualidade que os períodos anteriores nos deixaram.
ESTE ARTIGO NÃO DEVE SER REPRODUZIDO SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA
Leia também:
Arquitextos: Escola Carioca e a Arquitetura Moderna em Porto Alegre (Luís Haas Luccas)
Livro: A arquitetura moderna em Porto Alegre

8 comentários:

  1. Este teu blog é muito³³³³³³³³³³³³³³³³³³³ bom. Adorei esse post sobre a arquitetura moderna da cidade. Gostei dessa casa que foi modificada.

    Sobre o Palácio da Justiça, vale ressaltar que a última reforma que colocou os painéis e estátua foi duramente criticada pelo filho de Fernando Corona.
    Obrigado pelo comentário nos meus blogs.

    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Ola!

    Aquela área tu acessa quando entra na Cúria Metropolitana, porém, quando fui lá estava com o Viva o Centro a Pé.

    Sobre o Palácio da Justiça: achei um link que fala sobre a polêmica. O fato reside que os painéis trazem políticos militares que perseguiram o Fernando Corona. Nesse link conta um pouco melhor: http://diariogauche.zip.net/arch2006-06-01_2006-06-15.html#2006_06-03_20_44_04-7501453-0

    Grande abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Até tinha esquecido, muito obrigado pelo link no teu blog, te linkei lá no arquivopoa tbm :D

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o blog e o artigo.

    Rodrigo Marques

    ResponderExcluir
  5. MUITO BOM! SHOW.
    GIOVANI NICHELE.

    ResponderExcluir
  6. Jorge, me permita uma correção... O edifício acima é o Ibañez, neo colonial do Corona, não é uma casa e sim o primeiro edifício de apartamentos de PoA, com camarinha coletiva...
    vide tese da Professora Raquel Lima, a qual tive uma participação nos levantamentos...
    abraço

    ResponderExcluir
  7. Jorge, me permita uma correção. O neo colonial do Corona acima, não é uma residência e sim o primeiro edifício de apartamentos de PoA com camarinha coletiva...
    Vide tese da dr.a Arq. Raquel Lima, a qual tive oportunidade de colaborar...
    abraço

    ResponderExcluir

Atenção: nos reservamos o direito de não aprovar comentários agressivos, difamatórios ou anônimos.

OS COMENTÁRIOS SÃO DE RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES E NÃO EXPRESSAM O POSICIONAMENTO DO DZEITRS